Enter your keyword

post

Espermatozoides de suínos criados com maior bem-estar dão origem a leitões com menos medo e ansiedade

Espermatozoides de suínos criados com maior bem-estar dão origem a leitões com menos medo e ansiedade

Texto: André Julião | Agência FAPESP

Estudo apoiado pela FAPESP e publicado na revista Frontiers in Animal Science aponta que o modo de confinamento dos suínos machos – e não apenas das fêmeas, como se sabia – afeta profundamente a forma como os filhotes lidam com estresse, o que interfere no bem-estar desses animais.

Uma série de experimentos realizados na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP), em Pirassununga, mostrou que quatro semanas vivendo em celas são suficientes para que os machos tenham filhotes com alterações emocionais ligadas a medo e ansiedade, além de níveis elevados de cortisol na saliva quando expostos a desafios.

“Enquanto os óvulos são formados ainda na vida intrauterina da fêmea, os espermatozoides se formam a partir da puberdade e de forma contínua. Os machos, portanto, podem servir como sentinelas do que está acontecendo, dando a possibilidade de intervir para obter leitões com maior bem-estar”, explica Adroaldo José Zanella, professor da FMVZ-USP que coordenou o estudo.

O trabalho integra o projeto “A contribuição do macho para o desenvolvimento de fenótipos robustos e o papel mitigador do bem-estar das fêmeas suínas”, apoiado pela FAPESP e coordenado por Zanella.

Nos experimentos, 138 leitões com 25 dias de vida foram submetidos a testes comportamentais, para avaliar a emocionalidade, e análises de saliva, a fim de verificar níveis de cortisol, um indicador de estresse.

Apenas após a realização dos experimentos foram feitos testes de paternidade para determinar de qual tratamento veio o pai de cada leitão. Isso porque o sêmen dos animais em condições contrastantes foi misturado antes de inseminar as fêmeas, portanto, cada fêmea gestou leitões de vários pais.

Os doadores do sêmen que deu origem aos porquinhos foram submetidos, por quatro semanas, a um de três tipos de tratamento: ficaram em celas em que apenas se levantavam e deitavam, condições de alojamento utilizadas em criações comerciais; em baias individuais, com mais espaço; ou em baias individuais enriquecidas.

Nesta última, recebiam um banho diário e estímulos táteis: eram escovados diariamente e tinham acesso a feno para mastigar ou se deitar. Alimentação e disponibilidade de água foram iguais para todos os tratamentos.

Os pesquisadores demonstraram que as condições de alojamento dos pais influenciaram os comportamentos da prole. Em todos os testes comportamentais, filhotes dos machos suínos criados nas celas apresentaram modificações nos estados emocionais indicativos de ansiedade e medo.

Testes de saliva mostraram, ainda, um aumento dos níveis de cortisol após a aplicação dos testes comportamentais nos filhotes dos machos criados em celas e baias. Nos leitões cujos pais viveram em baias enriquecidas não houve diferença nas medições antes e depois dos testes.

Os resultados são condizentes com outro estudo do grupo, que usou os mesmos animais e tratamentos. No artigo, os pesquisadores mostram que os machos criados nas baias enriquecidas deram origem a mais leitões vivos e que sobreviveram ao primeiro mês de vida.

Além disso, os leitões originados dos machos suínos alojados nas celas tinham uma percepção maior da dor, um indicador de que o ambiente ao qual o pai é exposto alterou a percepção do filho, o que pode influenciar em seu bem-estar.

Próximos passos

“Estamos realizando outros estudos que mostram que o tipo de tratamento a que os machos são submetidos provoca mudanças epigenéticas [no genoma] que são, possivelmente, transmitidas para os filhotes”, conta Leandro Sabei, primeiro autor do artigo, realizado durante doutorado na FMVZ-USP.

Em um estudo anterior do grupo, os pesquisadores demonstraram que o tipo de confinamento influencia a própria fisiologia dos testículos dos adultos.

“Nos animais criados em celas, ocorre o princípio de uma degeneração testicular. O sêmen fica mais aglutinado e a temperatura do testículo mais alta, o que pode comprometer a fertilidade”, complementa Thiago Bernardino de Almeida, primeiro autor daquele trabalho e coautor do atual, ambos realizados durante seu doutorado com bolsa da FAPESP.

Em outro estudo proveniente do mesmo projeto, o grupo demonstrou como o ambiente de gestação das fêmeas afeta o desenvolvimento do cérebro dos leitões.

Outra publicação dos pesquisadores mostrou como cinco dias em celas durante o período após o cio causa estresse e interfere na microbiota vaginal das fêmeas, o que pode afetar a absorção de nutrientes e a proteção contra doenças nos filhotes.

“Nossos trabalhos já estão influenciando nas decisões de criadores de reprodutores, que estão vendo que o maior bem-estar aumenta a produtividade e os lucros. O objetivo agora é realizar estudos ainda mais robustos de todas as fases da vida dos animais, além de oferecer o modelo suíno para estudos relevantes a humanos”, encerra Zanella.

Mais detalhes do estudo podem ser conferidos na versão completa do artigo Inheriting the sins of their fathers: boar life experiences can shape the emotional responses of their offspring, disponível em acesso aberto em: www.frontiersin.org/articles/10.3389/fanim.2023.1208768/.

 

The post Espermatozoides de suínos criados com maior bem-estar dão origem a leitões com menos medo e ansiedade appeared first on Giz Brasil.